Noticias
Entrevista a Laerte Teixeira da Costa
El actual vicepresidente de la nueva central sindical de Brasil –UGT- responde de manera precisa sobre su creación, representación y objetivos. Al mismo tiempo marca la relación con el proceso de unidad sindical en las Américas y el mundial a partir de la
- ¿Por que se criou a UGT?
- O movimento sindical brasileiro estava muito atomizado. O século 20 foi um século de divisões. No início do século 21 houve a sinalização de um processo de unidade internacional que inspirou algumas centrais brasileiras a começarem também a discussão de uma unidade possível. Felizmente CAT, CGT e SDS tiveram inteligência suficiente para levar o projeto adiante.

- ¿Que relação tem a criação da UGT com o processo de unidade sindical nas Américas?
- O processo de unidade do Brasil antecipou-se à união da CLAT e da ORIT, mas tem tudo a ver. Estamos, como UGT, apoiando a fusão entre CLAT e ORIT e estaremos no congresso de unidade programado para março de 2008.

- ¿Quantos trabalhadores representam a UGT e quais os setores nela presentes?
- Estamos compilando as estatísticas, mas desde já é possível afirmar que temos mais de mil entidades, representativas de cinco milhões de trabalhadores. Praticamente todos os setores profissionais estão dentro da UGT. A adesão de setores independentes, além das três centrais, surpreendeu os organizadores. Há prevalência do setor de serviços, comerciários, bancários, etc., mas o setor industrial e a presença de técnicos e profissionais liberais são também significativos.

- ¿A UGT é agora uma central maior do que a CUT? - Não. Ainda a CUT é a maior central brasileira. Cremos que estamos nos equipando em tamanho à Força Sindical. Modificou-se, substancialmente, o equilíbrio de forças no movimento sindical brasileiro. Agora temos três grandes centrais capazes de provocar um diálogo maior com o governo e as forças empresariais. Estamos muito otimistas e vamos nos relacionar bem com as demais centrais.

- ¿Que objetivos tem a UGT?
- Os objetivos são de atuar de forma moderna, mais de acordo com as transformações das últimas décadas, forçar uma interlocução social de qualidade. Há uma preocupação central com os excluídos e com o pessoal que está na economia informal, isso é uma excrescência, uma anomalia. A UGT vai defender os interesses dos trabalhadores desprotegidos.

- ¿Segundo tenho entendido, durante o lançamento da UGT estiveram presentes os dirigentes da CSI, do governo do Brasil e de outras organizações. Isso quer dizer que a UGT desperta expectativas em toda a região e no mundo?
- Sim, estiveram presentes no lançamento da UGT o secretário-geral da CSI, Guy Ryder e os secretários gerais de ORIT e CLAT, respectivamente Victor Báez e Eduardo Garcia. Também outros líderes de grande importância no cenário sindical internacional, como representantes de centrais da Espanha, Portugal, Estados Unidos, América Latina, Ásia e África e outros países da Europa. Ao todo, estiveram presentes mais de 50 líderes internacionais. Os argentinos vieram com uma grande delegação. Os governos federal e estadual estiveram presentes.

- ¿Como recaiu a escolha do presidente e a conformação da diretoria, já que era preciso conciliar o interesse de 4 grupos sindicais distintos?
- Os três presidentes de CAT, CGT e SDS escolheram como presidente da UGT Ricardo Patah, presidente do Sindicato dos Comerciários de São Paulo. Eles entenderam que havia necessidade de renovação. Foi um gesto de grandeza e discernimento, muito raro nas lides sindicais. Enfim, foi a compreensão de que o movimento sindical brasileiro não poderia seguir dividido e atomizado.

- ¿E como ficam os três ex-presidentes de CAT, CGT e SDS?
- Serão vice-presidentes e conformarão um colégio de vices, o qual dará suporte às ações da diretoria nacional, comandada por Ricardo Patah. Na verdade, todo o processo de unidade e toda a formação da diretoria da UGT foi uma obra de reengenharia sindical. Muito difícil, mas, ao final, tudo saiu bem.

- ¿Qual o perfil sindical do novo presidente da UGT?
- Ricardo Patah é um líder jovem, do setor de serviços. Assumiu o Sindicato dos Comerciários de São Paulo e lá fez uma revolução. Comanda um sindicato de quase 500 mil trabalhadores, é muito ativo e uma pessoa de diálogo fácil. Temos muita esperança que se consolide rapidamente.

- ¿Como se comportará a UGT no processo de fusão continental: pró CLAT ou pró ORIT?
- Estaremos nos relacionando bem com as duas centrais sindicais. Afinal a CGT pertencia à ORIT e CLAT e SDS à CLAT. A intenção é comparecer ao congresso de março de 2008 com um número de delegados iguais tanto para a CLAT quanto para a ORIT. Cremos que o nosso processo de unidade pode ajudar as duas centrais continentais em sua própria dinâmica de unidade. Tanto CLAT quanto ORIT só têm a ganhar com a UGT .Em resumo: estaremos todos juntos em 2008.

Diego J. Ibarra
Atras
Noticias
Toda victoria es relativa, toda derrota es transitoria
Noticias
Seguimiento de la situación laboral
Noticias
Trabajo de calidad vs. trabajo precario
Noticias
Nosotros también entrenamos
Noticias
Salario, inflación y empleo
Noticias
AATRAC: II seminario de formación regional
Adelante
Agenda Agenda
scroll up
scroll down
El curso del Centro de Estudios Ferraresi inicia el 11 de julio....
Legislación laboral inicia el 2 de mayo....
Incasur e importantes agrupaciones invitan al ciclo de charlas con la participación de referentes h...
El golpe y sus consecuencias económicas....
Jueves 15 de febrero en ADEF...
© INCASUR. Todos los derechos reservados.
Alberti 36. Ciudad Autónoma de Buenos Aires. Tel.: (011) 4932-2776. comunicacion@incasur.org