Noticias
Trabalho Decente: Plano com metas até 2015
Principal mote da 1ª Conferência Nacional de Emprego e Trabalho Decente, realizada em maio, foi a apresentação do Plano Nacional (PNTD), com metas até 2015, que será referência para discussão estadual e municipal.
Em busca do fortalecimento da dignidade de trabalhadoras e trabalhadores brasileiros, a 1ª Conferência Nacional de Emprego e Trabalho Decente foi promovida pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O grande mote do encontro foi a apresentação do Plano Nacional de Trabalho Decente (PNTD), com metas até 2015.
A principal função do PNTD é tornar efetivas a Agenda Nacional do Trabalho Decente que estabelece prioridades para promoção do trabalho decente: gerar mais e melhores empregos, com igualdade de oportunidades e de tratamento; erradicar o trabalho escravo e o trabalho infantil, especialmente nas suas piores formas; e fortalecer os atores tripartites e o diálogo social como instrumento de governabilidade democrática.
A consolidação do PNTD foi firmada a partir de um acordo tripartite, envolvendo governo federal, sindicatos e entidades patronais, firmado em julho de 2009. De acordo com a Agenda Nacional, o PNTD deve estabelecer "além das prioridades, os resultados esperados e as estratégias, metas, prazos, produtos e indicadores de avaliação (do trabalho decente)".
Segundo o assessor para assuntos internacionais do MTE, Mario Barbosa, "o Plano deverá servir como uma referência para um debate mais profundo nas esferas municipal e regional". Para Mário, o "as agendas estaduais e municipais devem atender especificidades de cada lugar" e não simplesmente adotar o texto do PNTD como diretriz vertical. Está previsto ainda o acompanhamento sistemático do processo, visando ajustes e complementos.
Já existem algumas comissões locais formadas ou em formação, como é o caso dos estados Bahia e do Mato Grosso e da cidade de Belo Horizonte (MG). A região do ABC paulista é outra que está constituindo sua comissão pelo trabalho decente, a partir do consórcio entre os municípios.
As linhas do PNTD devem ser associadas também com o Plano Plurianual (2008-2011) e a Agenda Hemisférica do Trabalho Decente nas Américas (2006-2015), bem como com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs) estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) - que também adotam 2015 como ano-referência.

Contexto

O PNTD e a Conferência Nacional de Emprego e Trabalho Decente são desdobramentos do memorando firmado entre o governo federal e Organização Internacional do Trabalho (OIT), em 2003. O memorando serviu como base para a construção da Agenda Nacional de Trabalho Decente, concretizada em 2006.
Estabeleceu-se então como meta "gerar trabalho decente para combater a pobreza e as desigualdades sociais", e criou uma definição mais ampla para o tema: "entende-se por Trabalho Decente um trabalho adequadamente remunerado, exercido em condições de liberdade, eqüidade e segurança, capaz de garantir uma vida digna".
As prioridades levantadas no documento tripartite de 2009 definem diretrizes mais específicas, sendo que as mais importantes estão no âmbito da geração de empregos e na erradicação do trabalho escravo e infantil.
Para gerar mais e melhores empregos, com igualdade de oportunidades de tratamento, aparecem com destaque ações de valorização da economia solidária, fortalecimento da saúde e segurança no trabalho e investimento nas fiscalizações de obrigações trabalhistas e do trabalho no campo.Já quanto à prioridade de erradicar o trabalho escravo e eliminar o trabalho infantil, em especial suas piores formas, os projetos também passam pelo reforço na fiscalização, mas também se aplicam à assistência às vítimas (seja no apoio após resgate, no pagamento de seguro-desemprego ou no investimento em qualificação profissional). O PNTD ainda reforça a importância do II Plano Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo.

Estado

Além de expor as propostas do PNTD, a Conferência também fez uma reflexão sobre a situação do trabalho decente no Brasil nos últimos anos. "A idéia foi propor um debate sobre os desafios em termos de problemas de emprego e desigualdade social", afirma Mário Barbosa.
Os principais temas abordados foram o desemprego, a informalidade e a cobertura social. Ainda foram tratadas as questões de gênero, raça e etnia em relação ao emprego. "A expansão do emprego entre 2006 e 2009 e os impactos da valorização do salário mínimo nos últimos anos foram considerados fatos positivos para o desenvolvimento do trabalho decente", acrescenta.
A crise financeira que atingiu o mundo nos últimos anos também foi analisada. "Foram discutidos os impactos (da crise) e como o Brasil conseguiu superá-la", comenta Barbosa, "ainda foi debatida maneiras de aprofundar as políticas que deram certo no enfrentamento da crise".
A Conferência Nacional de Emprego e Trabalho Decente se une a outras três conferências mais tradicionais - Educação, Direitos Humanos e Ciência e Tecnologia. "A ideia é que as propostas que surgirem nessas conferências possam fortalecer o Estado", conclui o representante do MTE.

Fuente: Por Rodrigo Rocha (www.reborterbrasil.org.br)
Atras
Noticias
Toda victoria es relativa, toda derrota es transitoria
Noticias
Seguimiento de la situación laboral
Noticias
Trabajo de calidad vs. trabajo precario
Noticias
Nosotros también entrenamos
Noticias
Salario, inflación y empleo
Noticias
AATRAC: II seminario de formación regional
Adelante
Agenda Agenda
scroll up
scroll down
El curso del Centro de Estudios Ferraresi inicia el 11 de julio....
Legislación laboral inicia el 2 de mayo....
Incasur e importantes agrupaciones invitan al ciclo de charlas con la participación de referentes h...
El golpe y sus consecuencias económicas....
Jueves 15 de febrero en ADEF...
© INCASUR. Todos los derechos reservados.
Alberti 36. Ciudad Autónoma de Buenos Aires. Tel.: (011) 4932-2776. comunicacion@incasur.org