Noticias
PIB da América Latina e Caribe crescerá 3,3% em 2012
ONU considera que a região teve um "crescimento robusto" em 2011. As projeções indicam que o México e a América Central registrarão um crescimento de 2,7% do PIB em 2012 e de 3,6% em 2013, enquanto a região caribenha terá elevação de 3,6% e 4,3%, respecti
O PIB (Produto Interno Bruto) da América Latina e do Caribe crescerá 3,3% em 2012 e 4,2% em 2013, segundo o relatório "Situação e Perspectivas da Economia Mundial", elaborado pela Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad).
O texto considera que a região teve um "crescimento robusto" em 2011 -- aumento de 4,3% do PIB --, uma melhora que, no entanto, representou uma "desaceleração" com relação aos 6% obtidos em 2010. Por sub-regiões, os economistas da Unctad esperam um crescimento do PIB na América do Sul de 3,6% neste ano e de 4,5% no próximo, enquanto em 2011 a alta foi de 4,6%.
A progressão de 2011 na América do Sul se deve, segundo o relatório, à criação de emprego que, por sua vez, reduziu a pobreza e a desigualdade, o que levou a um forte aumento do consumo privado. "Isto ocorreu especialmente no Brasil", especifica o texto, lembrando que o investimento, tanto público como privado, cresceu, e que os altos preços das matérias-primas permitiram lucros generosos, que foram revertidos ao Estado através da receita por impostos.
As economias do México e da América Central tiveram um crescimento "mais moderado", de 3,8% em 2011, enquanto as do Caribe tiveram alta de 3,4%. As projeções indicam que o México e a América Central registrarão um crescimento de 2,7% do PIB em 2012 e de 3,6% em 2013, enquanto a região caribenha terá elevação de 3,6% e 4,3%, respectivamente.
A respeito da inflação, o relatório indica que a alta se mantém na região por conta do rápido crescimento da demanda interna e do aumento do preço das matérias-primas.
Em média, a inflação na região foi de 7% em 2011, mas houve dois casos, Argentina e Venezuela, nos quais a inflação alcançou os dois dígitos. O relatório aponta que na maioria de países latino-americanos foram aplicadas políticas ativas para lutar contra o aumento dos preços.
O relatório aponta também as ameaças que pesam sobre a região latino-americana, especialmente com uma possível recessão nos Estados Unidos e na Europa. "Um aprofundamento da crise da dívida soberana na Europa e o medo da falta de fundos em dólares poderiam afetar os bônus dos mercados emergentes e tornar seu financiamento muito mais caro ou até inacessível para alguns países da região", prevê o documento.

Fuente: Multinoticias Nº 10.
Atras
Noticias
Una peligrosa deriva
Noticias
CEPAL: “El modelo exportador está agotado”
Noticias
Capacitación sindical y adicciones
Noticias
Apuntes de la militancia
Noticias
El informe Lugano II
Noticias
México lindo y querido: nuevo liderazgo político
Adelante
Agenda Agenda
scroll up
scroll down
El curso del Centro de Estudios Ferraresi inicia el 11 de julio....
Legislación laboral inicia el 2 de mayo....
Incasur e importantes agrupaciones invitan al ciclo de charlas con la participación de referentes h...
El golpe y sus consecuencias económicas....
Jueves 15 de febrero en ADEF...
© INCASUR. Todos los derechos reservados.
Alberti 36. Ciudad Autónoma de Buenos Aires. Tel.: (011) 4932-2776. comunicacion@incasur.org